Sábado, 28 de Março de 2009

Pensamentos

Já estamos no fim de Março (o tempo até tem passado rápido apesar de tudo).

A Queima das fitas já está bem perto, tenciono ir à de coimbra (como é obvio), vai saber bem para descontrair, para desligar um bocado da anciedade dos exames.

Só vejo números à frente, confesso-me saturada de estudar mas enfim tem mesmo de ser e tenho que começar agora a estudar também para a minha especifica (fernando pessoa, saramago e afins me esperam, mais uma vez). 

Rezo para que  no fim seja recompensada por tanto esforço e não sejam mais uns miseros exames com base em correcções e critérios de correcção demasiado exigentes ou  pior ainda que sejam os próprios exames complicados só por si.

Pensamento positivo (vai correr tudo bem e não vai haver 14º ano) .

 

 

 

 

 

 

música que me está a dançar na cabeça: than why you go away
publicado por sombra esquecida às 12:54
link | partilhar palavras | adicionar aos tais

Venha a próxima

 

Anciosa para a próxima aula de condução.

Confesso que na terça até ia meia assustada era a primeira e reciava o primeiro impacto.

(mas digamos que gostei da experiência e quero repetir)

!!!

sinto-me:
publicado por sombra esquecida às 12:35
link | partilhar palavras | adicionar aos tais
Terça-feira, 24 de Março de 2009

Frustração

Adoro quando tenho um texto imenso escrito e esta merda falha e me apaga todo o post que levou horas a construir enfim fica para amanhã, ou para qualquer outro dia em que tenha tempo e paciência.

 

 

sinto-me: profundamente irritada
publicado por sombra esquecida às 00:33
link | partilhar palavras | adicionar aos tais
Domingo, 22 de Março de 2009

Memórias

Derrepente no meio de um hiper mercado apinhado de gente  um corpo vira-se e um rosto mostra-se em frente ao teu, o mais velho passado  te encara olhos nos olhos, aquele passado do tempo da tua meninice, o preterito da tua vida que já nem lembravas que existia está ali a um metro de ti. O coração parece que pára e sentes a boca seca, seca demais, ficas imóvel com um olhar fantasmagorico a assombrar-te a cara pálida de quem tomou um susto daqueles que poderia deixar qualquer ser humano a gaguejar.

Nada de extraordinario aquele amor correspondido dos tempos da pre-adolescencia o primeiro rapaz por quem o coração falou mais alto. Ali num frente a frente depois de anos encontraram-se as duas vidas a quem a timidez roubou a hipotese de uns bons momentos agora tu podes reconhecer que seriam apenas uns bons momentos e nada mais, mas na época cada dia só como amigos era como o desabar do mundo. Agora podes ver nitidamente o que o tempo faz as pessoas, o menino reguila com olhos a latejar de luz , que dava cada passo a pensar no doce sabor da descoberta, a descoberta de novas coisas, de novas emoções, que vivia a novidade como uma criança, esse menino já não existe, perdeu-se no tempo, nos longos anos que se passaram no entretanto da vida... ele cresceu, continua relativamente baixo, de olho cor de chocolate, pele tostada e cabelo negro e a expressão amena no rosto ainda existe mas a postura que assume de repente em relação a vida é diferente, muito diferente. Agora demonstra maturidade, mas já não é mais tão bonito como era em pequeno, mantem os traços no rosto e as faces cuidadosamente barbeadas, só que naquele instante ele era banal, um rapaz como tantos outros, sem graça, sem originalidade, mais uma pessoa no meio do vulto indefenido de gente, ele já não tinha nada que prendesse a atenção, premaneceu com os mesmo centimetros de altura, o cabelo sem gel demasiado arrumado, nem uma madeixa em desalinho e o corpo de menino. senão fosse o olhar forte pousado em ti nem acreditarias aquele miudo fosse o mesmo. Agora podes sentir o peso das recordações ele nada significa para ti, uma criatura vulgar que te desperta as lembranças de tempos felizes, de dias alegres, lembranças que te fazem deixar de sentir o coraçao e no momento a seguir voltar a senti-lo num estalar frenetico. São as doce memorias da vida que nos fazem rir ou chorar, elas sim premanecem intocaveis o tempo pode desgasta-las mas ela continuam lá sempre à espera de um motivo para serem relembradas uma e outra vez.  

música que me está a dançar na cabeça: recordar é viver - vitor espadinha
sinto-me: primaveril
publicado por sombra esquecida às 18:42
link | partilhar palavras | adicionar aos tais
Terça-feira, 17 de Março de 2009

A história de um qualquer alguém II

Vagueio pelas ruas como um espectro abandonado.

Um ser alucinado que diambula entre a gente, mastigando solidão.

Uma sobrevivente dos dias vazios e das noites despidas.

Nasce a manhã  num brilho fosco como um espelho embaciado e tudo é vago, incompleto.

A tarde cresce nas horas e invadem-me os cheiros e os sabores.

A luz e o calor agarram-me o corpo e prendem-me a mente a distâncias incontornáveis.

Sinto o verão a embalar-me cada gesto, cada batimento cardíaco e é como um abraço a aconchegar-me a alma solitária.

Aproxima-se o crepúsculo e eu encaro o horizonte vidrado em tons mangenta que embrulham odores reconfortantes, odores que me fazem encarar a vida como a dádiva perfeita, mas a noite chega e com ela a certeza que em todos os momentos semi-perfeitos do meu dia a tua ausência esteve patente deixando-me insatisfeita, querendo mais, exigindo mais, sempre mais.  Fujo das lágrimas que caem como veneno nos meus lábios e dos pensamentos que arrepiam, que apertam o peito de fininho.

Escondo-me nas vielas nuas da minha cidade acariciada pelo começo da noite e olho a lua, as estrelas e elas mostram-me o teu rosto ainda suspenso nas memórias.

A brisa morna desliza na minha pele enquanto eu na inocência da ilusão do querer mais que bem querer tento apanhar miragens do que foi.

A mágoa aperta e eu sinto a necessidade de calar as vozes na minha cabeça, as vozes das pessoas que teimam em constantemente remexer no meu passado e eu que não quero, nem posso, nem consigo te esquecer sinto as dores das feridas que ainda vivem ao descoberto. 

Acordo todas as manhãs para enfrentar a batalha diária em que se tornaram os meus dias desde que partiste  e eu continuo aqui de pés enterrados na terra aprendendo a viver sem ti.

Nestas horas penso como gostava de ser o teu anjo protector, um ser alado feito de sentimentos e emoções. 

Um ser criado com um só propósito,  proteger-te.

Nascida para te amar, te guiar, cuidar de ti, vigiar com atenção todos os teus passos.

Olhar por ti como se fosses um pedaço de mim.

Ser a voz que ouvias no silêncio do teu coração quando precisasses de um concelho.

Quando estivesses frio ser o calor que te aquecia.

Na tristeza ou na solidão ser os braços que te aconchegavam mesmo sem sentires.

Poder olhar fundo nos teus olhos como quem quer ler uma alma.

E na madrugada ninar os teus sonhos dando-te toda a paz que conseguisse.

Enlear o teu corpo no meu corpo de luz mesmo sem te tocar ficar ali a inalar o teu perfume.

Não dormir para poder passar as noites a olhar para ti, decorarando cada traço, cada contorno, a embrulhar a minha aura na tua.

Não havia nada fora de ti só a tua vida eu respiraria.

E porque seria o teu anjo protector não seriam quilómetros que nos separariam, nem anos, seriam somente centímetros e segundos.

Contra todas as regras eu tocaria os teus lábios, beijaria a tua pele, sentirme-ia completa mesmo sabendo que eras incapacitado de sentir toda a ternura que depositava em ti.

Diriam mal de ti. Diriam bem. Mas na verdade só eu te conhecia e sabia que não eras um monstro nem um princepe perfeito. Não serias um demónio nem um Deus, simplesmente humano, com defeitos e qualidades, e eu amarte-ia assim mesmo.

Quando vulneravel chorasses eu te faria sorrir.

Apesar de saber que jamais me amarias eu seria feliz, mesmo quando te visse a entregar os teus afectos a outros humanos as lágrimas poderiam correr na minha face mas eu seria feliz se tu estivesses feliz .

Mas eu não sou anjo e tu podes-me amar só precisava que me entendesses, percebesses o que sinto quando  estou do teu lado, quando a distância diminui. Fecha os teus olhos e esquece os problemas, nada mais precisa de existir, só nós.

Abre os braços, entrelaça-os em mim e  acolhe-me no teu regaço, preciso de ti, de sentir o teu coração a bater descompassado junto com o meu.

Não deixes a alma fraquejar porque não estas só, nunca estarás. 

Quer eu viva quer eu morra ficarei sempre contigo deixarei a brisa, o vento, o sol levar a saudade que me corre nas veias  para perto de ti para que pelo menos ela possa usufruir do paraíso que é a tua presença.

Por agora fico aqui perdida entre ruelas e calçadas fechando os olhos e esperando que voltes para perto de mim, quando chegares o meu coração vai saber mesmo sem te ver, sem te ouvir, eu vou sentir a tua risada, o calor do teu sangue chegará até mim mesmo sem te tocar, sentirei a alegria  e saberei que chegou o meu complemento então abrirei todos os meus sentidos para te poder absorver por inteiro na memória e no organismo como a mais prazerosa droga.

 

 

 

 

sinto-me:
música que me está a dançar na cabeça: Angel - Sarah Mclachlan
publicado por sombra esquecida às 18:10
link | partilhar palavras | adicionar aos tais

memórias de alguém de coração avariado e mente em curto-circuito

Ela fazia a sua alma vaguear pela cidade com um carácter diambulatório. Arrastava a sombra como grilhões pelas estradas alcatruadas e pelos paralelos dos passeios. Repousava à "sombra" de candeeiros de rua, ainda de luz intermitente e julgava-se fantasma ,só se lembrava que não o era quando homens (ou putos) armados em galos de capoeira passavam nos seus carros e buzinavam em tom de piropo, que teciam sorrisos marotos que ela ignorava, apetecia-lhe fugir, fugir dali a correr, fugir daquele mundo ridiculo de aparencias, de posturas convenientes, onde as pessoas às vezes se lembravam de se preocupar umas com as outras e então vinham as perguntas atrás de perguntas o tipico "estás bem?" ou o "que se passa contigo?" ou ainda aquele irritante "eu conheço-te sei que não estás bem...diz me o que se passa?" . E ela gritava para dentro de modo estridente "Epah !!! Porra! Será que não percebem que a última que coisa que quero é falar! Deixem-me em paz pelo menos hoje, pelo menos agora!".

Porque era mesmo isso, ela não queria falar, queria respostas, as respostas que ninguém lhe podia dar, que ninguém lhe sabia dar por mais que o quisesse fazer. Então orava, falava com o seu santo, uma entidade divina, tinha fé... a rara coisa que permaneceu entre tantas mudanças que aconteceram na sua vida nos últimos tempos.

Com os olhos a ferver de lágrimas ácidas que ao cair queimavam a cara, desenhavam cicatrizes profundas, tão profundas que os outros não viam mas ela sentia como punhais que lhe abriam o rosto, saiu dali, debaixo daquele candieiro de luz alaranjada e escondeu-se sentada atrás de um muro, de onde via um mundo colorido, cheio de luzes e brilho, o encanto especial da sua cidade, então comtemplava toda aquela magia com um choro complusivo, abafado e sufocante enquanto recordava tremendo aquela pergunta " ele gostava de ti e tu?".

O coraçao amaragurava por querer berrar a resposta e ter que calar viver no silÊncio das palavras. Poderia dizer que não nunca gostara dele mas que sim o amara como nunca ninguém o saberia amar. Desde o primeiro sorriso até à ultima lágrima ela precisava dele mas a vida negou-lhe tudo e ela já não queria mais falar no assunto. Queria simplesmente fugir do passado.

sinto-me:
publicado por sombra esquecida às 18:01
link | partilhar palavras | adicionar aos tais
Quinta-feira, 5 de Março de 2009

Gato escaldado de água fria tem medo

Decisões. 

Banalidades que ganham um outro sentido quando  tem consequências indefinidas.

Ir ou não ir eis a questão.

Decidi, não vou. Era complicado implicava tanta coisa. Mas no fundo acaba por não ser isto ou aquilo que me impede de ir. Não é a liberdade, não é o transporte, não os outros eventos sociais, é tudo .. uma soma de situações numa multiplicação de factores emocionais.  

Não é por ti, nem por ele. Na verdade acho que a vida me deixou queimada.

Conheço-te o minimo suficiente para me consciencializar do resultado de um sim. Temo por mim, porque a vida se mostrou a mim duma determinada maneira e não de outra, aprendi a desconfiar do que parece perfeito ... tu pareces perfeito e como coisas perfeitas sempre me desiludem prefiro nem me iludir e se é para não me iludir é melhor manter uma certa distância de segurança.

Talvez se ele não existisse tão firme na minha vida as coisas fossem diferentes, talvez arriscasse.Talvez se as circunstâncias fossem outras eu apostasse no sim. 

Mas as coisas sendo assim e não de outra maneira fujo da perfeição ... já me escaldei agora tenho medo.

Pedi-lhe opinião apesar de ainda hoje me arrepender tão profundamente de ter tomado em considaração os seus concelhos noutros tempos mas sinto que desta vez ela tem mesmo razão.

Não arrisco.

Tenho pena de não poder consolidar os meus desejos de outrora mas virão mais hipóteses disso agora é só o começo. Um começo onde tenho mais a perder do que a ganhar.

Não fiques chateado comigo nem magoado, não é vingança, é coincicidência. Para a próxima será diferente meu bem. Quando estiver preparada para aguentar com as consequências dos meus actos.

 

 

sinto-me: confusa
música que me está a dançar na cabeça: Gilberto Gil - vamos fugir
publicado por sombra esquecida às 12:44
link | partilhar palavras | adicionar aos tais
Segunda-feira, 2 de Março de 2009

E lá vamos nós outra vez...

 

 

O passado voltou a atacar.

Não tenho a mania da perseguição mas começo a pensar seriamente que o pretérito perfeito da minha vida tem. 

Talvez por isso siga sempre os meus passos e quando penso que ela já está bem arrumadinho lá atrás.... Zás .. ele volta !!!

O pior é que nem sei se me importo muito com isso. Acho que até gosto.

 

 

 

sinto-me: uma criança
música que me está a dançar na cabeça: you'll be in my heart - tarzan
publicado por sombra esquecida às 20:13
link | partilhar palavras | adicionar aos tais

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.museu

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.palavras fresquinhas

. Ela e Ele

. Amor pede amor

. Confissões da vida

. ...

. Pensamentos de um louco -...

. crónicas de um amor ausen...

. Perdida na madrugada

. Pensamentos soltos

. Crónicas de um ressacado ...

. A Saudade

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub