Domingo, 30 de Maio de 2010

"Se eu te amasse agora estava fodido não estava?"

Era ela.

Demorou tempo demais no teu passado, por consequência ganhou prioridade por permanencia e agora come-te o presente, o teu presente e o meu presente.

Leva-te aos poucos para longe de mim, porque ainda vive em ti.

Invejo-a por ter tido tanto de ti e por ainda ter tanto de nós.

Procuro dia e noite.

E noite e dia.

Por ti, por mim e pior que tudo, procuro por nós.

Sinto-me tão perdida, demasiado perdida, sem ti por perto tudo fico incompleto, a vida sabe a pouco.

De manhã ao acordar, ainda de olhos fechados, tento agarrar o teu braço, procuro com a minha boca o calor do teus lábios ,mas não encontro e acabo por desitir.

Abro os olhos e a minha cama está vazia, fico fria, sinto a lágrima a cair e recordo me de ti.

Lembro as nossas noite longas, passadas a dançar e a beber ora numa praça aberta ora num café a fechar.

Lembro-me dos beijos dados numa esplanada desprovida de gente, de vida e de luz, só nós, a lua, as estrelas, o mondego ali estavamos naquela noite tão escura, tão quente.

Lembro como tudo começou e como tudo acabou, a loucura do inicio e a magoa da despedida, o adeus que ficou suspenso no ar quando chegou o fim duma existencia tao curta.

Pediste-me confuso apenas amizade com mil justificações que não quis ouvir.

No momento não consegui responder que não te podia dar só amizade enquanto exitirem memórias, enquanto me lembrar de nós, de todas essas noites e de todas as outras, passadas entre um quarto e uma cozinha, brincavamos aos fritos, aos cozinheiros, fingiamos que queriamos comer quando a maior fome em nós era um pelo outro. Trancavamo-nos no teu quarto como senão houvesse mundo lá fora e não havia, não para ti e não para mim, em noites e dias de gestos loucos e palavras amenas, só a música e nós fazia sentido.

Mas tudo passou e agora sobrevivo de saudades que trazem lágrimas e sorrisos quando o coração aperta e clama o teu nome.

Saudades que matam, que ferem, que aquecem a alma, que torturam, que fazem rir, que alegram.

Saudades do teu abraço apertado e pacifico, das tuas maos asperas de cicatrizes profundas, saudades dos teus piercings, de ficar a olhar para a tuas tatuagens tentando percebe-las, da tua lingua, do teus beijos molhados, de te ver dormir, das tuas cariquicia e dos nossos toques loucos, do desejo, do calor, dos arranhões, das nossas conversas, de fumarmos o mesmo cigarro e bebermos da mesma garrafa, de te ter ali tão certo tão inteiro tão meu tão proximo tão consumivel tão apelativo.

Saudades de ficar a ouvir-te a tocar bateria e de te ouvir cantar ao meu ouvido, de me deixares ser a tua bateria, de jogarmos jogos de porrada e não me deixares ganhar.

Agora tudo acabou, resta me conformar com a tua ausência, com a tua falta.

O teu cheiro já desapareceu da minha roupa, do meu cabelo e  da minha pele, sem ele é mai facil não pensar.

Mas o teu casaco continua pendurado na cadeira do meu quarto e arrepia-me o coração quando olho para ele, vêm todas as memorias ao mesmo tempo, com elas a raiva, o medo, as saudades, a necessidade, a tristeza, as lágrimas e os sorrisos.

No entretanto não para de latejar na cabeça como num batimento cardiaco a pergunta que um dia me fizeste e não consegui responder convicta "se te amasse estava fodido?".

posso-te responder agora se me amasses daria ceu e mar por um sorriso teu, mas sim estarias fodido como eu estou fodida porque o amor é fodido mas somos nós quem o fode.

Longe ou perto desejava agora que todas as marcas que fizemos um no outro o tempo não as tivesse arrancado da nossa carne, para que todos aqueles que se possam no entretanto enlaçar nas nossas vidas saibam que antes deles eu estive em ti e tu estiveste em mim.

Marcas eternizadas no corpo para nao nos esquecermos nunca que fomos felizes um no outro que ainda poderiamos ser senao insistissemos em foder o amor.

Sempre soube e naquela noite em que me rejeitaste tive a certeza.

sinto-me: perdida de saudades
música que me está a dançar na cabeça: vermillion pt 2 e 3 - slipknot
publicado por sombra esquecida às 18:15
link | partilhar palavras | adicionar aos tais

Ao destino ninguém foge...

... já dizia a minha avó.

Entreguei me a outra alma.

Fugi de ti.

Deixei de te querer e desejar para não sofrer mas encontrei outra vida que me fez ama-la e sofrer ainda mais do que tivesse ficado contigo.

Ignorei te a ti e a tudo o que a nós dizia respeito mas acabei por encontrar outra loucura ainda mais forte.

Não quis indeciões, a tua confusão, mas encontrei confusão maior, devaneios piores.

Nada é para sempre e a vida ensinou me a fugir da dor antes dela doer ainda mais.

No entanto, quando a dor é  o próprio destino, ela passa a ser o caminho inevitavel por mais atalhos e curvas que se faça.

Ao destino ninguém foge.

Contornei a própria vida para me afastar das lágrimas, mesmo assim quando dei por mim eu mesma era uma lágrima.

Quando a lágrima é ela própria o destino não há como dela se esconder.

Ao destino ninguém foge.

Já jurei desaparecer, nunca mais amar.

Já jurei ser feliz e viver de afectos.

Mas quando há um destino traçado.

Quando está escrito na estrelas..

... só resta aceitar.

 

sinto-me: perturbada
música que me está a dançar na cabeça: Trought the glass - Stone sour
publicado por sombra esquecida às 14:50
link | partilhar palavras | adicionar aos tais

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.museu

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.palavras fresquinhas

. Ela e Ele

. Amor pede amor

. Confissões da vida

. ...

. Pensamentos de um louco -...

. crónicas de um amor ausen...

. Perdida na madrugada

. Pensamentos soltos

. Crónicas de um ressacado ...

. A Saudade

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub