Segunda-feira, 15 de Abril de 2013

Cartas a um amor ausente

Boa noite meu amor,


Lembras-te? Foi com um Até já.

Com um "Até já" que tudo começou assim num fim de tarde com uma despedida amena onde nem sequer consegui dizer que gostava de ti quando tu te declaraste mas no fundo acho que já conheces os meus sentimentos e a falta de palavras não me atormenta, eu sei que basta olhares nos meus olhos para compreender que vivo tropençando em ternura por ti. Acreditei inocente que o facto de termos fugido de compromissos mais sérios anestesiaria a dor de qualquer distância, mas tem se vindo a revelar tolice tal crença, no inicio era apenas aquela falta de jeito para lidar com o vazio das horas, era o não saber o que fazer com a monotonia que a tua ausência criou ou com os nossos silêncios que duram dias, mas agora já é o desconforto das noites mal dormidas ora a sonhar contigo ora a pensar em ti, tornou-se já num habito esse pensamento de  "se ele estivesse aqui (...)", começo a tolerar as dimensões da minha cama mas gelo por dentro quando preciso do teu abraço e quase te vejo e quase te sinto, olho a quase velha fotografia na moldura e quase sinto o teu perfume, o cheiro da tua pele ou o toque do meu corpo no teu, quase sinto a tua respiração e quase ouço o batimento do teu coração, quase é o problema, o que mais me atormenta na imensidão dos dias que ainda virão longe de ti é esse quase tão doido que me viola a alma, fico sempre tão perto através dessas memorias tão intensas das nossas sensações que se torna desesperante não poder as poder concluir e realmente revoltante não te ter a apertar-me forte num abraço, dá uma especie de formigueiro pelo corpo e causa uma certa dormência que obriga a pensar no teu regresso, em como será o momento de te poder prender em mim de novo e ultrapassar esta barreira de recordações. Agora que te sinto tão longe e inacessível dá me vontade de coisas que nunca quis fazer quando te tinha por perto, tais como te ligar diariamente para partilhar o meu dia, ou para falar do tempo, apenas uma desculpa para te sentir mais proximo ou para ouvir a tua voz.

Em dias como os de hoje sinto o verão a aproximar-se e ele que para mim sempre foi tao magico agora parece incompleto, faltas tu, é a imaginação de momentos só  nossos no calor dos dias de agosto que me faz sorrir e me dá forças a cada amanhecer, porque desde a tua partida que me sinto em desvantagem com o mundo, como uma perda de motivação que não me apercebi que tinha antes de te perder, é estranho porque sempre soube o quanto te estavas a tornar especial mas nunca compreendi como te estavas a tornar virtal, acho que te desvalorizei, que nos menosprezei, talvez não quisesse acreditar que estavas a criar em mim dependencia e a assumir o papel com tanto relevo na minha vida, eu que ja nao sabia como era nao amar o meu primeiro amor hoje sinto-me estranha por o ter deixado de amar sem me aperceber, pensei que ainda o amasse mas a sua presença já nao preenche os meus dias é a tua que me afecta, imagino me sem ti, imagino que não regressarias e sinto me mais do que nua, penso que teria de recomeçar, de encontrar alguém pra amar, criaste um vacuo em mim que ainda num sei muito bem controlar, muito menos preencher mas ando a  tentar aprender aos poucos dia apos dia, mas confesso...esta dificil. Tu soubeste antes de mim que isto ia ser assim, achei te louco e pedi para fazermos à minha maneira, mas errei e agora vivo meia deslocada e tudo o que vejo tudo o que faço o que sinto o que conheço eu quero partilhar contigo e idealiso mil momentos, mil programas para fazer contigo no teu regresso às origens vou fingindo que o teu mundo vai rodar à minha volta quando voltares, mesmo sabendo que tens um monte de amigos e familia com quem tenho de te dividir a ti e ao teu tempo mas é bom achar que não... vai confortando a alma, porque no fundo também sei que a primeira noite passada contigo deitada no teu regaço escutando as tuas mil epopeias enquanto brincas com o meu cabelo valerão qualquer programa mais elaborado que possa ter criado na minha mente.

Entretanto fica o pedido que te faço sempre sê feliz e volta rápido.



 

Com carinho,

o teu farol

 

 

sinto-me: de coração nas mãos
música que me está a dançar na cabeça: Wherever you go - Bryan adams
publicado por sombra esquecida às 03:00
link | partilhar palavras | adicionar aos tais

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.museu

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.palavras fresquinhas

. Ela e Ele

. Amor pede amor

. Confissões da vida

. ...

. Pensamentos de um louco -...

. crónicas de um amor ausen...

. Perdida na madrugada

. Pensamentos soltos

. Crónicas de um ressacado ...

. A Saudade

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub