Sexta-feira, 28 de Setembro de 2007

Horas vazias

                

tic tac, tic tac, tic tac          

Os minutos passam num tic tac frenètico, um tic tac oco que só estas horas vazias me concedem ouvir, mas pior que isso me concedem sentir, o vácuo do tempo.

Mantenho o ritual de sempre, o ritual de permanecer com a televisão ligada mesmo quando não lhe presto a menor atenção, mesmo quando ela num passa dum constantate blá blá sem uma sequência lógica, até porque todo o som que ela emite neste momento vêm em versão inglesa. Apesar do programa até ser do meu agrado não consegue a maravilha de me despertar o interesse e o zapping é impensável, por motivos de paciência. Acabo por me concentrar simplesmente em duas únicas coisas, neste momento, ora afastar do monitor as borboletas e mosquitos entre outros seres voadores que não identifico, mas que sei que vêm do exterior deste compartimento refrescado pelas janelas abertas, numa noite abafada de verão, bichos e bicnhinhos que teimam em poisar na claridade do ecrã, ora a ver a minha gata com o cerebro hipoteticamente derretido pelo calor pois está num estado psicologico afectado é certo que num tem nenhuma vasta lista de actividades a cumprir durante o dia ou não se resumissem elas basicamente a comer e dormir, em suma com mais uma ou outra coisita, mas neste exacto momento está deitada no chão, onde se esperneia e se espalha fazendo uso das figuras mais ridículas, isto quando num lhe passa nenhum objecto voador identificado como, mosquito (por exemplo), pela frente do focinho e a deixa a correr dum lado pro outro neste compartimento, onde tece malabarismos e saltos fantásticos, uma autêntica acrobata, digo-te eu, o pior é mesmo quando num salto para os cortinados, solta as garras e deixa-se lá ficar pendurada, aí vejo me obrigada a intervir, naquela sua diversão cirsense. Enfim, horas mortas, horas em que apesar do calor me sinto envolvida por um frio gélido, o frio da ausência dura de quem se tornou em mim vital, não pelo que é, mas pelo que se transformou nos momentos felizes, que me deu a provar. E é para não pensar nesse frio, nessa ausência, que deixo os meus pensamentos divagarem e me deixo igualmente absorver por ninharias como as habilidades da minha gata, o que para mim na plateia até se torna cómico e sempre dá para distrair,e esquecer a falta que fazem pessoas especiais que estão tão perto mas tão distantes.  Sabes... sinto me nostálgica ainda num outro dia por esta hora falavamos os dois e eu sentia me bem, (completa) e agora sinto-me tão vazia, como estas horas, por não te saber aqui, nem ali, por ter perdido o rumo que levaste. Sinto saudades de olhar os traços afáveis do teu rosto e de naufragar no teu olhar, faz tempo que não sinto o calor da tua voz e também isso me faz falta. Então dou por mim a perguntar pra onde terás ido. Para onde fugiste. Era tudo tão perfeito se cá estivesses agora, os momentos que tenho vivido, e as pessoas com quem tenho convivido seriam ainda mais marcantes (indomáveis) se estivesses por aqui com a tua mão na minha, a viver tudo isto comigo. Também te pareço bem mais distante, mas não estou, ando só ocupada, talvez inibriada com o encando de outras gentes, daquele outro pedaço de mim, que descubri naquele amigo, mas no lado esquerdo do peito continuas a ser tu que palpitas, como sempre e pra sempre. Dois anos já se passaram desde o primeiro olhar repentino que lançamos mutuamente, um olhar esfomeado de amor, um amor que veio e ficou. Que permanece, aqui, em nós, a crepitar cá dentro como chama viva, renascida a cada gesto.

sinto-me: com os pensamentos em obras
música que me está a dançar na cabeça: (uma qualquer dos tempos medievais)
publicado por sombra esquecida às 21:27
link | partilhar palavras | adicionar aos tais

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.museu

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.palavras fresquinhas

. Ela e Ele

. Amor pede amor

. Confissões da vida

. ...

. Pensamentos de um louco -...

. crónicas de um amor ausen...

. Perdida na madrugada

. Pensamentos soltos

. Crónicas de um ressacado ...

. A Saudade

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub